segunda-feira, março 21, 2011

No fim, regresso à origem de todos os outros dias. Deito-me e cubro o meu corpo gelado com os lençóis. Fico horas a olhar as estrelas brilhantes que pintei no tecto, sobre a cama. Num acto inconsciente, a minha mão sobe e com o indicador esticado finjo tocar as estrelas. Faço isto desde criança. Nunca perdi este hábito. É como uma escapatória, como um sonho que quero que perdure no tempo. Fecho os olhos. Adormeço.

Também poderás gostar

0 comentários

Mais lidos

Facebook

Seguidores

Subscribe